Fábio Dias
07/11/2019
Garça 

Wagner Luiz Ferreira e Patrícia Marangão questionam atendimento realizado na Unidade de Pronto Atendimento

Solicitando à AHBB para que informe qual o critério utilizado para definir a ordem de atendimento.

Anúncio

Solicitando à AHBB para que informe qual o critério utilizado para definir a ordem de atendimento dos pacientes na UPA e se procede a informação de que a demora seria para educar os pacientes a procurarem a unidade de saúde.

Wagner Luiz Ferreira (PSDB) afirma que recebeu diversas reclamações de munícipes quanto a demora no atendimento na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) chega a passar de quatro horas.

“Segundo os mesmos, tal demora ocorre em virtude da triagem inicial que seleciona a ordem de classificação dos pacientes que devem ser atendidos.

“Um desses munícipes disse que em conversa com funcionários que trabalham na UPA, foi informado que estariam educando a população para que procurem a Unidade Básica de Saúde e não a UPA”, falou ele.

Por isso o edil questiona a AHBB para que informe qual o critério utilizado para definir a ordem de atendimento dos pacientes na UPA e se procede a informação de que a demora seria para educar os pacientes a procurarem a unidade de saúde.

A vereadora Patrícia Morato Marangão (PMDB) fez o mesmo questionamento do vereador Wagner e apresentou uma reclamação feita por usuário em rede social.

A pessoa coloca que chegou na UPA às 22 horas, apresentando dor de cabeça, garganta, peito e costas e só foi atendida às 2h20.

Segundo a mesma, tinha momentos em que só tinha ela para ser atendida, o que não ocorria e, quando chegavam outros pacientes, eram passados na frente.

“Às 2 horas da madrugada fui conversar com a atendente aí ela e as pessoas que estavam ali (funcionários também) me falaram que na verdade eles fazem isso para educar o povo a ir no posto de saúde. Isso significa que eles deixam esperando de propósito ao invés de conversar com a pessoa sobre a possibilidade da pessoa aguenta até a manhã seguinte. Em quatro horas o médico teria sim cinco minutos para me atender porque muitas vezes ele chamava pacientes que nem estavam mais lá há horas, e só chamava o próximo depois de bastante tempo. O médico tem esse direito de, mesmo podendo atender, deixar a pessoas esperando para “educar a ir ao posto”? questionou a pessoa em rede social.


Comentários

Nota Importante: O Portal Garça Online abre espaço para comentários em suas matérias, mas estes comentários são de inteira responsabilidade de quem os emite, e não expressam sob nenhuma circunstância a posição/opinião oficial do Portal ou qualquer de seus responsáveis em relação aos respectivos temas abordados.